48 dicas de português para você acertar nos concursos e na vida

LFG - 48 dicas de português para você acertar nos concursos e na vida

Existem competências obrigatórias para profissionais de qualquer área e o domínio do português é uma delas. Ainda assim, erros e dúvidas quanto ao uso correto da língua é uma constante, tanto nas relações pessoais quanto no mundo corporativo.

Erros frequentes refletem problemas na educação de base do brasileiro e muitas pessoas acabam ingressando no mercado de trabalho ou iniciando estudos para concursos públicos com muitas dúvidas.

Além de deficiências na formação básica, a falta de familiaridade com a escrita também contribui para o problema. Portanto, se você costuma consultar o dicionário e a internet para sanar dúvidas linguísticas pontuais, aproveite esse guia que preparamos com as principais dicas e algumas pegadinhas presentes na Língua Portuguesa para você acertar nos concursos públicos e nas conversas do dia-a-dia.

GRAFIA – ERROS E VARIAÇÕES


1. Menos ou Menos?

“Menas” não existe.

Mesmo referindo-se a palavras femininas, use sempre menos.


2. Zero graus ou zero grau?

Zero está no singular, portanto, o substantivo grau deve acompanhá-lo na flexão.

O correto é: Zero grau.


3. Quatorze ou catorze?

Você pode ficar à vontade para usar qualquer uma das formas, visto que ambas estão corretas.


4. Seje ou seja? Esteje ou esteja?

Esqueça o seje e o esteje. Essas palavras são usadas de forma errada na expressão oral.

Seja e esteja são as opções corretas.


5. Troféis ou troféus?

Lembre-se: a terminação “éis” deve ser empregada apenas nas palavras terminadas em “el”, como papel, pastel, tonel, entre outras.

Sendo assim, as palavras terminadas em “éu”, quando flexionadas no plural, devem levar a terminação “éus”.

Portanto, o correto nesse caso é troféus, chapéus, céus, etc.


6. Ela quiz ou ela quis?

Assim como toda a conjugação do verbo querer (quiseram, quiseste, quisera, etc.), a palavra quis deve ser escrita com ‘s’.

O correto, então, é ela quis.


7. Quite ou quites?

“Quite” deve concordar com o substantivo a que se refere.

Se for no singular, podemos dizer que “o contribuinte está quite com a Receita Federal”, por exemplo.

Já no plural, “os contribuintes estão quites com a Receita”.


8. Media ou medeia?

Há quatro verbos irregulares com final “iar”, são eles mediar, ansiar, incendiar e odiar.

Todos se conjugam como “odiar”, portanto, o correto é medeio, anseio, incendeio e odeio.

Exemplo: Ele sempre medeia os debates.


9. Ao meu ver ou a meu ver?

“Ao meu ver” não existe. O correto é “a meu ver”.

Exemplo: A meu ver, o evento foi um sucesso.


10. A ou há

Para indicar tempo passado, usa-se o verbo haver.

Exemplo: “Atuo no setor de controladoria há 15 anos”.

O a, como expressão de tempo, é usado para indicar futuro ou distância.

Exemplo: Falarei com o diretor daqui a cinco dias, ou, ele mora a duas horas do escritório”.

11. Retificar ou ratificar

Retificar refere-se ao ato de corrigir, emendar.

Exemplo: Vou retificar os dados da empresa.

Ratificar significa confirmar, comprovar.

Exemplo: Estávamos corretos. Os fatos ratificaram nossas previsões.


12. Tem ou têm?

Tem refere-se à 3ª pessoa do singular do verbo “ter” no Presente do Indicativo.

Exemplo: Ela tem uma casa na praia.

Têm refere-se ao mesmo tempo verbal, porém na 3ª pessoa do plural.

Exemplo: Elas têm uma casa na praia.


13. Fim de semana ou final de semana?

Fim é o contrário de início. Final é o contrário de inicial.

O correto nesse caso é “Bom fim de semana”.


14. A par ou ao par?

No sentido de estar ciente, o correto é “a par”.

Exemplo: Ele já está a par do ocorrido.

Use “ao par” somente para equivalência cambial.

Exemplo: Há muito tempo, o dólar e o real estiveram quase ao par.


15. A princípio ou em princípio

A princípio equivale a “no início”.

Exemplo: Achamos, a princípio, que ele estava falando a verdade.

Em princípio significa “em tese”.

Exemplo: Em princípio, todo homem é igual perante a lei.


16. Senão ou se não?

Senão significa “a não ser”, “caso contrário”.

Exemplo: “Nada fazia senão reclamar”.

Se não é usado nas orações subordinadas condicionais.

Exemplo: Se não chover, poderemos sair.


17. Onde ou aonde?

Onde indica lugar em que algo ou alguém está e deve ser utilizado somente para substituir vocábulo que expressa a ideia de lugar.

Exemplo: Onde coloquei minhas chaves?

Aonde também indica lugar em que algo ou alguém está, porém quando o verbo que se relacionar com “onde” exigir a preposição “a”, deve-se agregar esta preposição, formando assim o vocábulo “aonde”. Expressa a ideia de destino, movimento.

Exemplo: Aonde você irá depois do trabalho?


18. Aceita-se ou aceitam-se?

Nesse caso, o verbo “aceitar” deve concordar com o sujeito se ele estiver no plural ou no singular.

Exemplo: “Aceita-se animal de estimação” ou “Aceitam-se animais de estimação”


19. A fim ou Afim?

A locução a fim indica ideia de finalidade.

Exemplo: Nós viemos a fim de discutir o projeto.

Afim é um adjetivo e significa semelhança.

Exemplo: Eles têm ideias afins.


20. Despercebido ou desapercebido?

Despercebido significa sem atenção.

Exemplo: As mudanças passaram despercebidas.

Desapercebido significa desprovido, desprevenido.

Exemplo: Ele estava totalmente desapercebido de dinheiro.

21. Viagem ou viajem?

Viagem é substantivo.

Exemplo: Fiz uma linda viagem.

Viajem é a flexão do verbo viajar no Presente do Subjuntivo e no Imperativo:

Exemplo: Espero que eles viajem amanhã.


22. Mal ou mau?

Mal opõe-se a bem.

Exemplo: O jogador estava mal posicionado

Mau é o posto de bom.

Exemplo: Aquele homem é mau.


23. Perca ou perda?

Perca é verbo.

Exemplo: Não perca as esperanças.

Perda é um substantivo.

Exemplo: Há muita perda de tempo com banalidades.


24. Traz ou trás?

Traz é a conjugação do verbo “trazer” na 3ª pessoa do singular do Presente do Indicativo.

Exemplo: Ela sempre traz os relatórios para a gerência.

Trás refere-se a parte posterior.

Exemplo: Ele olhou para trás e viu o vulto.


25. Meio-dia e meio ou meio-dia e meia?

O correto é meio-dia e meia, pois o numeral fracionário concorda em gênero com a palavra hora: meio dia e meia hora.


26. Obrigado ou Obrigada?

Homens devem dizer “obrigado”.

Mulheres dizem “obrigada”.

CONCORDÂNCIA E PEGADINHAS


27. Para mim fazer ou para eu fazer?

Lembre-se do que dizia sua professora de português: “Mim não faz nada”.

Mim é um pronome pessoal oblíquo, por isso não pode vir antes de um verbo exercendo função de sujeito em uma oração.

Sendo assim, o correto é “para eu fazer”, “para eu falar”, “para eu estudar” e assim por diante.


28. São uma hora ou é uma hora?

O verbo deve concordar com as horas.

Exemplo: É uma hora da tarde.

Exemplo: São duas horas da tarde, são três horas da tarde e assim por diante.


29. Anexo

É preciso atenção para acertar nessa concordância.

Dizer que algo está em anexo é o mesmo que dizer que algo está anexado, por isso a palavra deve concordar com o substantivo a que ela se refere:

Exemplo: Anexas seguem as cartas, ou, anexo segue o comprovante, ou ainda, os documentos solicitados estão anexos.

Em anexo é uma forma invariável, portanto, não vai para o feminino e nem para o plural:

Exemplo: Em anexo, seguem as cartas. Segue o comprovante em anexo. Os documentos solicitados seguem em anexo.


30. Em vez de ou ao invés de?

“Em vez de” é usado como substituição.

Exemplo: Em vez de elaborarmos um relatório, discutimos o assunto em reunião.

“Ao invés de” é usado como oposição.

Exemplo: Subimos, ao invés de descer.


31. Ao encontro de ou de encontro a?

“Ao encontro de” dá ideia de harmonia, concordância.

Exemplo: Os diretores estão satisfeitos, porque a atitude do gestor veio ao encontro do que desejavam.

“De encontro a” dá ideia de oposição.

Exemplo: Os ideais do partido não estão indo de encontro a minha ideologia, por isso me afastei.


32. Através ou por meio?

Através expressa a ideia de atravessar.

Exemplo: Ele olhava através da janela.

Por meio significa “por intermédio”.

Exemplo: Os senadores sugerem que, por meio de lei complementar, os convênios sejam firmados com os estados. 


33. Precisa-se ou precisam-se?

Nesse caso, a partícula “se” tem a função de tornar o sujeito indeterminado, ou seja, o verbo permanece sempre no singular, sem variar para o plural mesmo que o sujeito o faça.

Exemplo: Precisa-se de estagiários.


34. Implicar, implicar com ou implicar em?

No sentido de acarretar, o verbo “implicar” não admite preposição.

Exemplo: O acidente implicou várias vítimas.

Já no sentido de ter implicância, a preposição exigida é “com”.

Exemplo: Ele sempre implicava com os filhos.

E quando se refere a comprometimento, deve-se usar a preposição em.

Exemplo: Ela implicou-se nos estudos e passou no concurso.


35. De mais ou demais?

Demais significa excessivamente e também pode significar “os outros”.

Exemplo: Você trabalha demais.

De mais opõe-se a “de menos”.

Exemplo: Alguns possuem regalias de mais, outros de menos.


36. Existe ou existem?

O verbo existir admite plural, diferentemente do verbo haver, que é impessoal.

Exemplo: Existem muitos problemas nesta empresa, ou existe apenas um problema nesta empresa.


37. Tão pouco ou tampouco?

Tão pouco corresponde a “muito pouco”.

Exemplo: Trabalhamos muito e ganhamos tão pouco.

Tampouco corresponde a “também não”, “nem sequer”.

Exemplo: Não compareceu ao trabalho, tampouco justificou sua ausência.


38. A nível de ou em nível de?

A expressão “em nível de” deve ser usada quando se refere a “âmbito”.

Exemplo: A pesquisa será realizada em nível de direção.

Já o uso de “a nível de” significa “à mesma altura”.

Exemplo: Estávamos ao nível do mar.


39. Chego ou chegado?

Chego é 1ª pessoa do Presente do Indicativo.

Exemplo: Eu sempre chego cedo.

Embora alguns verbos tenham dupla forma de particípio, como imprimido/impresso, frito/fritado e acendido/aceso, o único particípio do verbo chegar é chegado.


40. Meio ou meia?

No sentido de “um pouco”, a palavra “meio” é invariável.

Exemplo: Ela estava meio nervosa na reunião.

Como numeral, meio deve concorda o substantivo.

Exemplo: Ele comeu meia maçã, ou, ele comeu meio abacate.


41. Mas ou mais?

Mas é conjunção adversativa e significa “porém”.

Exemplo: Gostaria de ter viajado, mas tive um imprevisto.

Mais é advérbio de intensidade.

Exemplo: Adicione mais açúcar se quiser.


42. Descriminar ou discriminar?

Descriminar significa absolver, inocentar.

Exemplo: O juiz descriminou o jovem acusado.

Discriminar significa separar, diferenciar.

Exemplo: Os produtos estão discriminados na nota fiscal.


43. Faz ou fazem?

No sentido de tempo decorrido, o verbo “fazer” é impessoal, ou seja, só é usado no singular.

Exemplo: Faz dois meses que trabalho nesta empresa.

Em outros sentidos, faz deve concordar com o sujeito.

Exemplo: Eles fazem um bom trabalho.

CRASE

44. Palavras femininas

A crase deve ser empregada apenas diante de palavras femininas. Essa é a regra básica para quem quer aprender mais sobre seu uso.

Caso você fique em dúvida sobre quando utilizar o acento grave, substitua a palavra feminina por uma masculina: se o “a” virar “ao”, a palavra receberá o acento grave.

Exemplo:

– As amigas foram à confraternização de final de ano da empresa.

Agora substitua a palavra “confraternização” pela palavra “encontro”.

– As amigas foram ao encontro de final de ano da empresa.


45. Indicação de hora

Lembre-se de utilizar a crase em expressões que indiquem hora.

Exemplos:

– Às três horas começaremos a estudar.

– A partida de futebol terá início às 17h.

– Ele esteve aqui às 8h, mas foi embora porque não te encontrou.

Porém, quando as horas estiverem antecedidas das preposições “para”, “desde” e “até”, o artigo não receberá o acento indicador de crase.

Exemplos:

– Ele decidiu ir embora, pois estava esperando desde as 10h.

– Marcaram o encontro no restaurante para as 20h.

– Fique tranquilo, eu estarei no trabalho até as 9h.


46. Tempo, lugar e modo

Utilize a crase antes de locuções adverbiais femininas que expressam ideia de tempo, lugar e modo.

Exemplos:

– Às vezes chegamos mais cedo à escola.

– Ele terminou a prova às pressas, pois já passava do horário.


47. Palavras masculinas

A crase, na maioria das vezes, não ocorre antes de palavra masculina. Isso acontece porque antes de palavra masculina não ocorre o artigo “a”, indicador do gênero feminino.

Exemplos:

– O pagamento das dívidas foi feito a prazo.

– Os primos foram para a fazenda andar a cavalo.

– Tempere com pimenta e sal a gosto.

– Eles viajaram a bordo de uma aeronave moderna.

– Marcos foi a pé para o escritório.

Exceção:

Existe um caso em que o acento indicador de crase pode surgir antes de uma palavra masculina. Isso acontecerá quando a expressão “à moda de” estiver implícita na frase.

Exemplos:

– Ele cantou a canção à Roberto Carlos. (Ele cantou a canção à moda de Roberto Carlos).

– Ele fez um gol à Pele. (Ele fez um gol à moda de Pelé).

– Ele comprou sapatos à Luís XV. (Ele comprou sapatos à moda de Luís XV).


48. Casos em que a crase é opcional:

Antes dos pronomes possessivos femininos “minha”, “tua”, “nossa” e etc…

Nesses casos, o uso do artigo antes do pronome é opcional.

Exemplo:

– Eu devo satisfações à minha mãe, ou, eu devo satisfações a minha mãe.

Antes de substantivos femininos próprios.

Vale lembrar que, antes de nomes próprios femininos, o uso da crase é opcional, até porque o artigo antes do nome não é obrigatório.

Exemplos:

– Carlos fez um pedido à Mariana, ou, Carlos fez um pedido a Mariana.

– Se depois da preposição “até” houver uma palavra feminina que admita artigo, a crase será opcional.

Exemplo: Os amigos foram até à praça. Ou, os amigos foram até a praça.

Aproveite todas essas dicas e bons estudos!

FONTE: https://www.lfg.com.br/conteudos/dicas/geral/48-dicas-de-portugues-para-voce-acertar-nos-concursos-e-na-vida

35 total views, 1 views today

Vitorina Lago

Possui graduação em Pedagogia pela universidade estadual vale do acaraú, especialista em Pedagogia Escolar: administração, orientação e supervisão, Pós graduanda em Neuropsicopedagogia Clínica e Institucional, atuou como vice-diretora da escola São Francisco das Chagas de 2013 a 2015, orientadora de estudos do Pacto Nacional Pela Alfabetização na Idade Certa - Pnaic - MEC, de 2013 a 2016, professora concursada da Prefeitura Municipal de Itaituba, diretora do Centro Infantil Pequeno Príncipe de 2015 A 2017, atualmente Professora de Apoio Especializado na escola Professora Maria Oliveira de Mendonça e Supervisora no Programa Institucional de Iniciação à Docência- Pibid.

Deixe uma resposta

Hora Mais WhatsApp Chat
Chame via WhatsApp