Ministério da Saúde Orienta que as Pessoas Criem suas Próprias Máscaras

O aumento de infectados pelo novo-coronavírus e o medo da contaminação têm motivado um grande número de pessoas a fazerem o uso de máscaras. Com isso, as máscaras, além do álcool em gel, ultimamente, têm sido um dos produtos mais procurados no comércio de todo o Brasil. Por conta disso, a disponibilidade desse produto no mercado tem sido reduzida.

Em razão da redução do produto no comércio, as pessoas estão buscando alternativas para cobrir nariz e boca. O Ministério da Saúde recomenda que as pessoas confeccionem suas próprias máscaras, a fim de evitar que o produto hospitalar falte a quem realmente necessita.

Apesar da procura intensa, o produto é recomendado para quem está infectado pelo coronavírus, pessoas com problemas respiratórios ( ex.: espirro, tosse ou dificuldade para respirar) ou que prestam atendimento a suspeitos da doença e profissionais da saúde.

Leia também: http://horamais.com/index.php/2020/03/21/novo-coronavirus-mascara-quem-deve-e-como-usar-confira-as-dicas-de-um-medico/

Como a máscara é feita?

O primeiro passo é providenciar o tecido. O mais recomendado é o tricoline, devido ser bastante resistente e permite que as pessoas respirem bem.

O segundo passo, é cortar o tecido, utilizando um modelo de máscara comprada nas farmácias.

A máscara deve ser dupla, isto é, com duas camadas para o nariz e a boca ficar bem protegidos.

Devem ser providenciados, também, dois elásticos para serem colocados nos dois vincos da máscara. Eles devem ser prendidos nas laterais, por meio de costura. É importante medir o tamanho do rosto.

A máscara, antes de usada, deve ser lavada com sabão neutro. Além do mais, depois de duas horas de uso, deve ser trocada.

Após o uso, lave-a com água sanitária (hipoclorito de sódio) por 20 minutos, e seque.

Texto: Inácio Santos.

 1,264 total views,  1 views today

Inacio Santos

Inácio Santos é Técnico Agropecuário formado, desde 2017, pela Escola Estadual de Educação Técnológica do Pará - EETEPA/ITAITUBA. Atualmente, cursa, no Instituto Federal de Educação, Ciência e Tecnologia do Pará - IFPA/ Campus Itaituba, o 5º período do curso Superior de Licenciatura em Ciências Biológicas. É amante do Jornalismo, do ensino e da boa escrita.

Deixe uma resposta

Hora Mais WhatsApp Chat
Chame via WhatsApp